14 de out de 2013 | By: Nayara Ferreira

Encerrando Ciclos..

Fim de ano já está ai.. Fim da faculdade, fim de muita coisa.. Estava na internet esses dias e li um texto que fala sobre finais, encerrar ciclos.. Seja em relacionamentos, trabalho, ou qualquer coisa que esteja nesta fase na nossa vida, temos como adapta-lo e entender bem como devemos levar essas fases... Espero que gostem!


Encerrando Ciclos

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. 

Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação? 
Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? 
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? 

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. 

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração - e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. 

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará. 

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.


- Gloria Hurtado



Imagem por: Anonimo
Créditos da imagem - Se você ou alguém que conhece for o autor da imagem, por favor entre em contato para que os créditos sejam dados corretamente. 
8 de out de 2013 | By: Nayara Ferreira

Rock in Rio - Minha primeira vez.

Demorei né?
Muuuito, eu sei disso! Mas precisava colocar minhas ideias em ordem, melhorar de saúde, já que voltei do Rio com uma gripe insuportável e terminar os trabalho da faculdade que tanto me atormentaram essas semanas... Mas estou aqui e vou contar como foi a experiência, uma das melhores da minha vida, por sinal! Não sei se vou conseguir passar para vocês o que eu senti, mas vou tentar!

Para começar, aquela coisa do Rio ser a cidade maravilhosa é bem verdade né? Até eu, que não sou muito chegada em praia, calor e toda aquela coisa me rendi aos encantos do Rio (apesar do calor absurdo), e os cariocas, pelo menos aqueles que tive contato; foram receptivos, gostei! A galera que estávamos contribuiu para a diversão, então foi bem legal!

Rock in Rio, vamos falar do que interessa.
Logo as 3 horas da manhã do domingo já estava de pé e preparada para enfrentar a fila e a longa espera para os shows. Chegamos as 5 da manhã na fila e tinha algumas poucas pessoas que dormiram lá para poder assistir ao show. Estavam divididos entre fãs do Slayer, Avenged e principalmente Iron!
Às 8 da manhã já começou a confusão e a galera desfez a fila e amontou, então, a coisa ficou feia logo no inicio, mas depois foi se "organizando" novamente.
O que mais ouvi durante esse período foi "MAIDEN" sem duvida nenhuma, o que nos animava cada vez mais, a energia da galera ali era contagiante, uma coisa absurda! Tenho que comentar uma coisa com vocês, já que foi uma surpresa grande, eu vi UM único menino com a camiseta do Kiara Rocks, o resto da galera, bandas de todos os estilos, ali na frente da fila onde estávamos, reinou Iron.

Abertura dos portões, correria e enfim, entrar na cidade do Rock, estar ali, nossa.. Foi demais! Não andei por ali, não vi as coisas, mas em compensação consegui o queria, fiquei pertinho do palco, um amigo meu na grade e eu e um outro ali atrás dele.. SIM, eu vi o show de pertinho!
Até os shows começarem foi a passagem de som, conversa com a galera que estava ali em volta, os shows do palco Sunset, que não chegava o som pra gente, mas, deu pra assistir e passar vontade pelo show do Helloween.

Vamos aos shows:

Kiara Rocks

"Quem é Kiara Rocks?" Acho que depois de "Maiden", o que eu mais ouvi desde a fila até o começo do show foi isso. Ninguém sabia quem era os caras, e quem sabia falava muito mal. Imaginei desde o começo a galera vaiando e o show sendo um fracasso. Ai COMEÇA o show, e a galera leva um tapa na cara né? Inclusive eu, admito que fiquei bem surpresa. De cara eles mandam um cover de Motorhead, e meu, o Cadu Pelegrini, vocalista da banda tem meus parabéns, eu não tinha visto até então alguém conseguir fazer um cover desses. Ace of Spades foi muito bem cantada e tocada. Quando eles começaram a galera explodiu, e ganharam uma certa simpatia de muita gente. Pausa para comentários e musicas deles, e isso eu já havia comentado com alguns amigos meus, o som deles é bom, o vocal é bom, mas as letras... Que me desculpem os fãs e a banda, mas não curto não! Enfim, acho que com o medo de ainda serem vaiados, eles preparam mais algumas surpresas, e que surpresa. Marcão, ex-guitarrista do Charlie Brown Jr é anunciado, até ai tudo bem, até normal, eis que o Cadu anuncia Paul Di"Anno, ex-vocalista do Iron Maiden, e sinceramente, dali pra frente era certeza que eles não iam ser vaiados mesmo. Com Highway to hell do AC/DC, Blitzkrieg bop do Ramones e Wrathchild do Iron, eles conseguiram gritos de "Kiara" de fãs muito exigentes de bandas como Slayer e Iron Maiden e a supressa daquela plateia gigantesca. Falando sobre a banda em si, cover são bons, o som é bom e o Cadu realmente tem uma voz rasgada e muito boa, o show foi bem interessante, mas as letras continuam não sendo boas, na minha humilde opinião.



Slayer

Som pesado na certa né. O que esperar do Slayer se não o bom Thrash-metal que eles sabem fazer? Com a morte do guitarrista  Jeff Hanneman em maio fiquei apreensiva com o que esperar do show, mas valeu a pena. O vocalista Tom Araya quase não falou nada durante o show. Foi um dos shows mais parados da noite, a banda na minha opinião, porque o publico era de uma energia impressionante e o som compensava tudo. Para os fãs fies da banda, um ótimo show com certeza, e para quem conhece a banda, sabia que não seria diferente. Setlist incrível, minhas preferidas foram World Painted Blood, War Ensemble, Dead Skin Mask e Raining BloodHouve momentos do show que foram bem legais, foram fotos e vídeos de Hanneman que passavam nos telões e a frase "Hanneman, Angel of Death, still reinning" (Hanneman, Anjo da Morte, continue reinando) que foi uma homenagem e tanto para o amigo. Inclusive, Angel of Death foi a musica que encerrou o show deles. Admito que não sou uma fã fervorosa deles, mas curto a banda e adorei o show!




Avenged Sevenfold

Responsabilidade absurda deles, abrir para o Iron. M. Shadows comentou durante o show sobre suas bandas preferidas, no caso Helloween, e no meio da plateia gritando "Maiden, Maiden" ele ainda comentou que gostava da competição. Acho que os caras seguraram bem a responsabilidade. Muita gente ali, principalmente fãs do Iron, ficaram surpreendidos com o som deles e o vocal do M. Shadows. Principalmente do meio do show para frente, pra ser mais especifica, de Nightmare para frente. As musicas de inicio não eram tão conhecidas, a não ser pelos fãs que ali estavam em grande numero também, tiveram presença sim. Vi comentários absurdos na internet que o show foi uma porcaria e tal, e olha, eu que estava ali na frente não vi nada disso. Como disse, vi gente que estava ali pelo Iron ficar surpreso com a banda, gritar "Sevenfold" e curtir o show sim, que vamos combinar, foi muito bom. Presença de palco boa, e que palco que eles preparam em! As grades do palco, o fogo que elas lançavam, e nós ali sentíamos o calor, tudo isso contribuiu para um ótimo show. Hail to the king, uma das musicas que mais gosto teve uma energia impressionante, com a galera dando socos no ar e gritando. Foi incrível. Acho que infelizmente Iron não vai sobreviver para sempre, e é bom saber que tem bandas novas por ai querendo levar o nosso Heavy Metal para frente. Enfim, foi um ótimo show!



Iron Maiden

Que show foi esse? Sem duvida o melhor da noite. Não encontro palavras pra explicar o que foi e como foi esse show. A energia da galera, os coros, ver o Bruce ali, bem pertinho. Foi bem mais que incrível. Com as musicas dos anos 80, baseado na turnê de The seventh son of a seventh son, a energia do Bruce em todos os momentos do show, a bateria de Nicko, o som do baixo e das guitarras, mostraram o porque dos fãs da banda serem tão fieis. Entre os "olê olê olê olê, Maideen, Maideen", explosões de fumaça, fogos de artifícios, o Eddie surgindo no palco, os fãs iam ao delírio e cantavam todas as musicas com fervor!
Moonchild, Can I play with madness, The prisioner, Fear of the dark,The number the beast, Run to the hills, The Trooper e a famosa bandeira que o Bruce balança, sei lá, difícil escolher um momento ou uma musica do show.. Entendam, foi perfeito! Impressionante como em certos momentos, a voz do publico chegava a ser mais alta que a do próprio Bruce. Enfim, fico devendo detalhes e palavras para explicar o show, é algo que jamais vou esquecer.
E.. que venham mais shows do Iron!!!



Bom, desculpem-me pelo post longo, mas eu tentei passar para vocês o máximo que eu pude sobre o show e a minha experiência. Tenho certeza que vocês devem ter assistido, seja pela TV, ou aqueles que estavam lá e conseguiram sentir o que eu senti. Os shows do palco Sunset consegui assistir depois pela internet, e aquela coisa, foi um dos melhores dias eu acho! Bem completo e shows de arrasar! Bom, o Rock in Rio foi fechado com chave de ouro!

É isso minha gente.. Agora eu quero saber de quem estava lá ou quem assistiu pela TV mesmo, qual a opinião de vocês sobre o ultimo dia do Rock in Rio?